19 de julho de 2014

OS “ODIADORES” E “ENGANADORES DA MENTE”

“N
UNCA ANTES SE VIU COISA IGUAL.” Foi assim que se expressou certo irmão, ao enviar uma mensagem de texto via correio eletrônico (correlete) ao irmão Apóstolo TDS. A que se referia ele com as palavras acima? À atitude do irmão Apóstolo em descobrir as maldades praticadas pelos do Corpo dos Governantes dentro da congregação de Jeová. Entretanto, engana-se o irmão queixoso, pois já houve “coisa igual” sim! Foi o Senhor Jesus quem primeiramente deu o exemplo para qualquer um de nós seguir de perto seus passos no que tange a denunciar o erro e as maldades de líderes religiosos dentre o povo de Jeová. (Leia Mateus 15:12-14; 23:13, 27, 28.) É certo que Jesus sabia lê os corações e mentes, de modo que podia denunciar os erros sem medo de está cometendo alguma injustiça contra seus denunciados. E quanto ao irmão Apóstolo TDS hoje? Com que autoridade denuncia ele os líderes de sua própria religião? Pode ele saber se o que denuncia é mesmo verdadeiro, e que está sendo justo com os seus denunciados? Vejamos isto.
É JUSTO DENUNCIAR LÍDERES RELIGIOSOS?
   Primeiramente, assim como no caso dos líderes religiosos fariseus (os principais líderes que estiveram na mira das denúncias do Senhor), os do Corpo dos Governantes hoje é quem são os odiadores, mentirosos e detestáveis. Eles odeiam a todos os que não fazem parte de sua religião, aos que saem dela e aos que os questionam ou que os denunciam. Obviamente eles agem diferentes dos do Corpo dos Governantes judeu do primeiro século em alguns pequenos detalhes, mas, na maioria deles, sobretudo nos piores, eles são praticamente idênticos no proceder. Por exemplo, a Escritura diz que os líderes fariseus eram tão odiadores que não conseguiam disfarçar esse seu lado iníquo. Eles expressavam seu ódio até mesmo nos gestos. (Marcos 3?6) Já os do atual Corpo dos Governantes, não. Diferentemente daqueles, estes exibem sempre um sorriso no rosto, só falam publicamente (em vídeos gravados e nos congresso internacionais, claro) por meio de palavras suaves, bondosas e calorosas. Mas, não se engane! As diferenças param por ai. Ademais, esta sua atitude não representa a realidade. Por dentro eles são iguais — ou até piores — que seu antitípico, os do Corpo dos Governantes judeu. Há muito que a Escritura profetizou sobre eles e suas verdadeiras intenções nas seguintes palavras: “O odiador faz-se irreconhecível com os seus lábios, mas para dentro de si põe o engano. Embora ele faça a sua voz graciosa, não lhe acredites, pois há sete coisas detestáveis no seu coração. O ódio está encoberto pelo engano. Sua maldade será descoberta na congregação.” — Provérbios 26:24-26, TNM.
É justo denunciar os enganadores da mente
"no meio da congregação"?

Os do Corpo dos governantes — seu ódio declarado. Os do Corpo dos Governantes de hoje, embora ‘se façam irreconhecíveis pelos seus lábios’ — pois se expressam com “voz graciosa” — constituem, na verdade, no coletivo “odiador” e, também, poem “para dentro de si o engano” Como eles odeiam? Como já dissemos, eles odeiam a todos as pessoas que pertençam às outras religiões, sobretudo aos que eles classificam como “os apóstatas da Cristandade”. Eles também odeiam aos que saem de suas próprias fileiras, quer estes tenham sido desassociados quer tenham se dissociado. Ademais, os do Corpo dos Governantes instigam as leigas Testemunhas de Jeová a também odiarem os que eles odeiam. Este comportamento deles têm causado indizíveis males em meio às famílias, pois, quando um dos membros é desassociado ou dissociado, este é ostracizado e, como ocorre em muitos dos casos, a família dos envolvidos acaba se dividindo e se fragmentando. Até mesmo brigas entre casais tem sido frequente.* De que modo o ódio deles está “encoberto pelo engano”?

Os do Corpo dos Governantes e seus enganos. Os do Corpo dos Governantes, assim como seu antitípico, escondem o ódio que sentem pelas pessoas atrás de seus ensinamentos enganosos. Neste caso, até mesmo os seus próprios governados, as Testemunhas de Jeová leigas, eles têm odiado, mas que escondem isso pelo engano. Como se cumpre isso? Por exemplo, quando eles impedem que seus governados comam do pão e bebam do vinho tinto, símbolos respectivos da carne e do sangue resgatador do Senhor Jesus, eles estão destinando os seus governados para a destruição, pois é exatamente isto o que Cristo profetizou que ocorrerá a quem ‘não comer de sua carne e beber de seu sangue’.  João 6:54.

  Como os do Corpo dos Governantes conseguem esconder todo este ódio? Pelo engano. Através de sua “voz graciosa”, eles incutem nas mentes e nos corações das Testemunhas que ‘comer dos emblemas não é para elas, mas que', dizem, 'se fizerem isso, estarão pecando contra Jeová’. Através de seu ensino enganoso, de que somente uns 8 mil dentre os quase 8 milhões de Testemunhas é que podem ‘fazer isso em memória’ do Senhor. (Lucas 22:19) A estes privilegiados, os do Corpo dos governantes chamam de os únicos ungidos e dignos de herdarem o reino. Tudo não passa de uma tramoia maligna para destinar as leigas Testemunhas à destruição no Armagedom. Como servo dedicado a Jeová, o irmão Apóstolo TDS não poderá deixar que isso aconteça aos seus irmãos. Não sem ‘descobrir as maldades dos do Corpo dos governantes no meio da congregação’. De fato, de acordo o o texto considerado, “há sete coisas detestáveis no seu [no deles] coração”. Já identificamos a primeira, quais são as outras seis? Uma segunda coisa detestável será considerada no final deste artigo. É certo que o “espírito dos Deuses santos” trará as demais coisas detestáveis à atenção dos da congregação no seu devido tempo. (Daniel 4:8) Portanto, é correto denunciar o erro, mesmo que este venha de líderes religiosos muito poderosos.

CONGREGAÇÕES INTEIRAS CHEIAS DO ENGANO
   Se é na sede mundial das Testemunhas de Jeová, onde ficam os do Corpo dos Governantes, onde nasce o engano e dali se espalha aos adoradores como torrentes de águas nervosas, então é certo expor que é para as mais de cem mil congregações dos do povo de Jeová no mundo que estas águas nervosas primeiramente correm. De fato, é para ali que todos os ensinamentos promovidos pelos do Corpo dos Governantes em formato escrito se encaminham. Quais torrentes de águas, estas publicações enchem os salões do reino e, depois, saltitam para as mentes dos adoradores ali. Falando profeticamente sobre tudo isto, Jeová há muito expôs esta armadilha ruinosa preparada pelos iníquos. Ele inspirou seu profeta Jeremias a dizer: “Entre o meu povo foram encontrados homens iníquos. Estão espreitando como quando os passarinheiros se agacham. Armaram uma armadilha ruinosa. É a homens que eles capturam. Assim como a gaiola está cheia de criaturas voadoras, assim as suas casas estão cheias de engano. Por isso é que se tornaram grandes e se enriquecem. Engordaram; ficaram reluzentes. — Jeremias 5:26-28.

   Os do Corpo dos Governantes, quais passarinheiros, têm capturado não a aves, mas é a “homens que eles capturam”. Através de uma hierarquia bem estruturada, a qual eles chamam de organização teocrática, eles têm ‘enchido suas gaiolas’ — seus salões do reino. Estas gaiolas, ou “casas”, estão cheias do engano e todos os que ali frequentam foram capturados espiritualmente pelos iníquos do Corpo dos Governantes. Recentemente eles venderam alguns dos prédios de sua organização por quase um bilhão de dólares. Esta soma está guardada para futuros investimentos em mais gaiolas e a preparação de mais engano. Com todo este dinheiro, é impossível alguém não reconhecer que eles “se tornaram grandes e se enriquecem”. Isto também é algo maldoso, digno de ser “descoberta no meio da congregação”.

OS DO CORPO DOS GOVERNANTES SÃO OS “ENGANADORES DA MENTE”!
Diferentemente de Jesus, que “não cometeu pecado, nem se achou engano na sua boca”, os atuais líderes religiosos não conseguem ‘refrear sua língua do que é mau e nem conter seus lábios de falar o engano’. (1 Pedro 2:22; 3:10) Saber que os iníquos não conseguem ‘conter sua língua de falar o engano’ nos leva a mais uma das coisas detestáveis que eles praticam constantemente. Qual é ela? Eles odeiam os “Filhos dos Deuses” (hebr.: Ḇə·nê-hā·’Ĕ·lō·hîm) que pecaram com as mulheres nos períodos antediluvianos. (Gênesis 6:2; Enoque 6:1, 2; Jubileus 5:1) Segundo diz as Escrituras, aqueles anjos (ou “Deuses-Mensageiros”) foram pegos e levados à uma prisão, sim, o Deus Miguel fora encarregado de “[entregá-los] a covas de profunda escuridão” onde permaneceriam por “setenta gerações [...] até o julgamento”. (Enoque 10:11, 12; 2 Pedro 2:4) A contagem das setenta gerações teve início com Enoque, “o sétimo homem na linhagem de Adão”, o profeta que escreveu sobre este tempo. (Judas 14) Assim, providencialmente, exatas setenta gerações depois de Enoque, Jesus veio ao mundo. (Faça as contas em Lucas 3:33, 37.) Depois de pregar por três anos e meio ele foi morto. No terceiro dia, porém, ele fora trazido de volta à vida por meio da ressurreição. Pedro nos informou que, “neste estado”, o de ‘espírito vivificado’, Jesus “foi e pregou aos espírito em prisão”. (1 Pedro 3:19). O que teria Jesus a pregar a esses ex-Deuses santos?


  O apóstolo Paulo responde, dizendo: “Fiqueis cheios do conhecimento exato da [vontade dos Deuses], em toda a sabedoria e compreensão espiritual, [...] de modo a perseverardes plenamente e serdes longânimes com alegria, [...] mediante [Jesus] foram criadas todas as outras coisas nos céus e na terra, as coisas visíveis e as coisas invisíveis, quer sejam tronos, quer senhorios, quer governos, quer autoridades. Todas as outras coisas foram criadas por intermédio dele e para ele. [...] porque [os Deuses acharam] bom que morasse nele toda a plenitude, e, por intermédio dele, reconciliar novamente todas as outras coisas consigo mesmo, por fazer a paz por intermédio do sangue que ele derramou na estaca de tortura, quer sejam as coisas na terra, quer as coisas nos céus. (Colossenses 1:9-20) Você dá valor ao “conhecimento exato da vontade dos Deuses”? Por meio de Jesus, a todas as “coisas” — quer sejam as da terra (nós, humanos pecadores), quer as dos céus, (só pode ser os Deuses que pecaram e que estão presos) — está sendo estendida a ‘reconciliação e a paz’. Foi exatamente isto o que Jesus pregou àqueles “espíritos em prisão”. O que pregam os odiadores do Corpo dos Governantes?
Saiba se você foi vítima do engano
 e de seus enganadores.
 Leia este número especial de A Continela

   Uma mensagem de ódio e desprezo, de destruição e de mentiras satânicas. Os do Corpo dos Governantes primeiramente ensinam o engano de que aqueles anjos pecadores ‘tornaram-se os demônios de Satanás’, de modo que suas publicações, que jorram como águas torrenciais para as “casas” deles, seus Salões do Reino, estão repletas de ódio a esses anjos aos quais Jesus foi reconciliar consigo e com seus Pais celestiais. Embora que a expressão “Satanás e seus demônios” não conste da Bíblia, nem das Escrituras como um todo, eles insistem em pregar esse engano. Dizem também que esses anjos serão destruídos na Geena, que Satanás é o governante deles e que eles participam em ‘desencaminhar a terra inteira’, mesmo sabendo que esta mentira é tão infantil, uma vez que eles estão presos no "Tártaro", uma prisão altamente segura contra fugas. (Revelação de Jesus[ Apocalipse] 12:9; 2 Pedro 2:4) Tudo isto não passa de enganos religionistas, e os que deixam suas mentes serem enganadas com isso, tornam-se cúmplices do erro religionista. O Salmista perguntou: “Enganos — quem pode discernir?” (Salmo 19:12) Os que se deixam guiar pelo espírito dos Deuses, o “ajudador”, pode. (João 14?16, 17) De fato, o irmão Apóstolo TDS tem sido ricamente abençoado no discernimento da verdade e dos enganos religionistas.

CONTINUEMOS A ‘DESCOBRIR’ OS "ODIADORES" E “ENGANADORES DA MENTE” NO “MEIO DA CONGREGAÇÃO”
   Deste modo, embora que irmãos, defensores do engano e dos enganadores, exclamem perplexos, dizendo que ‘nunca antes se viu coisa igual’, que um irmão possa tanto discernir os enganos e seus enganadores quanto denunciá-los no “meio da congregação”, é exatamente isto o que o irmão Apóstolo TDS continuará a fazer. Ele está crente que tão logo os Deuses enviarão uma multidão de ajudadores, para reforçar ainda mais este denunciar. Sobre os enganadores do Corpo dos Governantes, Paulo, também apóstolo, há muito os denunciou, dizendo: “Pois há [... os] enganadores da mente. [...] É preciso fechar a boca de tais, visto que estes mesmos persistem em subverter famílias inteiras por ensinarem coisas que não deviam, por causa de ganho desonesto." (Tito 1:10, 11) Similarmente, João profetizou sobre eles: “Muitos enganadores [da mente] saíram pelo mundo afora. [...] Este [o coletivo Corpo dos Governantes] é o enganador e o anticristo.# (2 João 7) Deveras, os do Corpo dos Governantes e os que gostam de ser enganados, não são “cumpridores da palavra”, mas continuam ‘enganando-se com falsos raciocínios', disse Tiago, e acrescentou: “Se [os do Corpo dos Governantes] achar que é adorador formal, contudo não refrear a sua língua [de falar o engano], mas prosseguir enganando seu próprio coração [e as mentes dos que lhes escutam], a forma de adoração de [tais homens] é fútil. — Tiago 1:22-27)
 
__________
  * O próprio Apóstolo TDS está vivendo esta amarga experiência nestes últimos três meses. Ele fora desassociado da congregação das Testemunhas de Jeová em fins de abril e princípio de maio. Desde então, ele e sua esposa têm vivido os piores dias de suas vidas de casado. Os conflitos entre os dois evoluem a passos largos para a dissolução do casamento. O divórcio parece ser iminente, pois nem sua esposa o aceita como uma ex-Testemunha (é constantemente bombardeada no seu Salão do Reino com essas ideias), nem ele quer aceitar a proposta vinda da parte dos anciãos. E qual é a proposta deles? Visto que o irmão fora desassociado não por ter violado algum princípio bíblico, ou ter se tornado um violador dela, mas por ter participado dos emblemas da carne e do sangue do Senhor (do pão e do vinho), atitude esta que os anciãos julgaram ser anticristã e apóstata (há muito que os do Corpo dos Governantes ensinam que somente certas pessoas, classificadas por eles como as únicas “ungidas”, é que podem consumir os emblemas representativos da carne e do sangue de Jesus). Mas não é isto o que as Escrituras pregam. (Leia o evangelho de João, capítulo 6; Mateus 26:27; 1 Coríntios 11:25.) Assim, a proposta deles é que o irmão se ‘arrependa deste erro e apresente obras próprias desse arrependimento’. É certo que se o irmão fizer exatamente isto, será readmitido na congregação após alguns anos. Fazer isso, no fim das contas, devolverá ao casal a paz e harmonia anteriormente existentes. Entretanto, significará para o irmão deixar de ‘obedecer aos Deuses' e tornar a 'obedecer a homens’. (Atos 5:29) Ademais, deixar de obedecer ao mandamento de ‘comer da carne e beber do sangue do Senhor’, significará a morte, tanto para si como para sua esposa e filha. Já se o irmão obedecer antes aos Deuses  — o que é o certo a fazer —, e continuar tomando dos emblemas representativos da carne e do sangue do Senhor, 'fazendo isso em memória dele', poderá salvar ‘tanto a si mesmo quanto a sua família', pois, como diz a Escritura, se um dos membros do casamento está fazendo a verdadeira vontade de Jeová, os outros membros estarão automaticamente “santificados”. (Compare com 1 Timóteo 4:16; 1 Coríntios 7:12-16; 11:24.) Assim, os do Corpo dos Governantes não obterão sucesso com suas tramas odiosas em destruir esta família no Armagedon. Na força do Espírito de Jeová, o irmão Apóstolo saberá lidar sabiamente com esta situação, sem que para isso possa "tremer diante de homens" e cair no seu "laço", mas por continuar ‘expondo os do Corpo dos Governantes e sua maldade no meio da congregação’. — Provérbios 29:25.

  # Os do Corpo dos Governantes dizem que Jesus só é Deus num sentido similar a satanás. Em uma de suas publicações, eles disseram: “’Não é Jesus chamado de deus na Bíblia?’ poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo, Satanás também é chamado de deus. (2 Coríntios 4:4)” Livro “Poderá Viver para Sempre no Paraíso na Terra?”, Cap. 4. P. 40 § 16. Os do Corpo dos Governantes, que muito falam de Jesus como sendo o Senhor deles, rebaixam-no à altura de Satanás. Ademais, eles inseriram o título “Deus”, designado a ele, com “d” minúsculo, em todas as ocorrências, exatamente como fizeram no caso de Satanás, o Diabo. Não concorda que os do Corpo dos Governantes, longe de serem seguidores de Cristo, são na verdade “anticristos”? 


27 de maio de 2014

“FELIZES OS CONVIDADOS À [FESTA] DO CASAMENTO DO CORDEIRO”

“Felizes os convidados à refeição noturna do casamento do Cordeiro.” — Revelação (Apocalipse de Jesus) 19:9.

V
OCÊ JÁ FOI ALGUM DIA convidado a participar de uma festa de casamento de um amigo querido? É comum recebermos um convite formal em ocasiões tão alegres quanto esta. Logo que recebe o convite, os dois chefes da família — o homem e sua esposa — tratam logo de pensar nos preparativos: “Que roupas usar?” e “Que presente levar?” são as duas primeiras perguntas que talvez lhes venha à mente. No que se refere a casamentos deste tipo não é preciso preocupar-se em saber quando se dará o casamento ou a que horas se dará a festa que se segue. Tudo está devidamente registrado no convite.

   Por mais especial que seja está presente numa ocasião como esta, está em andamento um casamento e sua respectiva festa que em grandiosidade supera qualquer casamento humano. Trata-se do “casamento do Cordeiro”, Jesus Cristo, e de sua “festa de casamento”. (Revelação [Apocalipse de Jesus] 19:7; Mateus 22:1) Você recebeu um convite para está tanto neste casamento quanto em sua festa? Fará esforços para está presente? Que presente pode dá ao “noivo”? Com que roupa deve comparecer? Primeiro você tem de ver se recebeu um convite, pois, se você não o recebeu, é inútil fazer quaisquer preparativos. Talvez esteja se perguntando agora: “Quem terá sido os que receberam um convite?” Antes de examinarmos isso, porém, veremos quem o recebeu, mas recusou-se ir à festa.
CONVIDADOS QUE NÃO ENTRARÃO NA FESTA DO CASAMENTO
   Se você não está entre os que receberam formalmente um convite para a festa de casamento do cordeiro, não se preocupe. Todos os que foram oficialmente convidados, tanto ao casamento quanto à sua festa, disseram que não querer ir. O evangelista Lucas registrou a seguinte conversa em forma de parábola que Jesus tivera com um dos convidados à “refeição noturna” de seu futuro “casamento” — ele falou com um dos membros do Corpo dos Governantes judeu, um dos que dominava os muitos convidados oficiais:

Certo homem estava oferecendo uma lauta refeição noturna, e convidou a muitos. E ele enviou seu escravo na hora da refeição noturna para dizer aos convidados: ‘Vinde, porque todas as coisas estão agora prontas.’ Mas todos em comum começaram a escusar-se. O primeiro disse-lhe: ‘Comprei um campo, e preciso sair e vê-lo; peço-te: Tem-me por escusado.’ E outro disse: ‘Comprei cinco juntas de gado e vou examiná-las; peço-te: Tem-me por escusado.’ Ainda outro disse: ‘Acabei de tomar uma esposa e por esta razão não posso ir.’ O escravo chegou-se assim e relatou estas coisas ao seu amo. O dono de casa ficou então furioso e disse ao seu escravo: ‘Vai depressa para as ruas largas e becos da cidade e traze para cá os pobres, e os aleijados, e os cegos, e os coxos.’ No tempo respectivo, o escravo disse: ‘Amo, foi feito o que me ordenaste, contudo, ainda há lugar.’ E o amo disse ao escravo: ‘Vai para as estradas e para os lugares cercados, e compele-os a vir para dentro, a fim de que a minha casa se encha. Pois, eu vos digo: Nenhum dos homens que foram convidados provará a minha refeição noturna.’” — Lucas 14:16-24, TNM.

   O “homem” que ‘ofereceu uma lauta refeição noturna’ representava os Deuses Jeová. A festa seria justamente o “casamento” do Filho Deles, Jesus Cristo. Quem foram os “muitos” convidados? Estes foram todos os judeus naturais. Por estarem debaixo do pacto abraâmico, eram os “filhos da promessa”, e que, portanto, participariam dessa grandiosa e maravilhosa festa. (Gênesis 22:17; Gálatas 3:18) No entanto, instigados por um ímpio Corpo de Governantes, seus líderes religiosos, a nação como um todo ‘recusou’ ir por ‘mostrarem-se indiferentes ao convite’. Cada um deles deu sua desculpa favorita para não ir. Ademais, paralelamente ao relato de Lucas, Mateus registrou ainda outro agravante que levou o “dono de casa” a ficar “furioso” com estes convidados! Eles ‘agarraram os escravos Deles [dos Deuses] e os trataram com insolência e os mataram’. (Mateus 22:6) Como se cumpriu isso? Jesus respondeu mais tarde, dizendo:

 “Jerusalém, Jerusalém, matadora dos profetas e apedrejadora dos que lhe são enviados — quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas! Mas vós não o quisestes.” — Mateus 23:37, TNM.

Milhões de cristãos hoje encontram-se em "lugares cercados". Nãos lhes será fácil obedecer ao "dono da casa": comparecer à festa do "casamento do Cordeiro".

MUITOS CONVIDADOS ‘ENCHEM A CASA’ ONDE SE DARÁ A FESTA DE CASAMENTO
   Visto que os convidados não quiseram ter nada que ver com o maior evento de todos: o casamento do Filho de Jeová, os Deuses, fora providenciado que outros tomassem o seu lugar na festa: estes foram todos os que se submeteram ao Novo Pacto, mediado pelo Moisés Maior, Cristo Jesus. (Jeremias 31:31; 1 Coríntios 11:25) A congregação cristã do primeiro século deveras era composta por milhares de crentes – todos de posse do convite para a grande refeição noturna. Mesmo assim, ‘ainda sobraram lugares’, disse o ‘escravo’. O amo então tornou a enviar o escravo para distribuir mais convites; aos que porventura estivessem passando nas “estradas” e também para os que se encontravam em “lugares cercados”. Estes representavam todos os que se tornaram cristãos depois da grande apostasia que houvera depois da morte dos apóstolos. Nestes dois últimos séculos em especial, muitos cristãos apareceram nas “estradas” — isto é: cristãos individuais passaram a buscar o ‘entendimento’ das Escrituras, ‘percorrendo-a’. (Daniel 12:4; Colossenses 2:2) Também foram convidados os que se submeteram a “lugares cercados” — isto é; os cristãos que se encontram presos nas garras de líderes religiosos; os que submetem à ‘obediência antes a estes homens que aos próprios Deuses’. Com tantos convidados, agora ‘toda a casa ficou cheia’. — Atos 5:29.

SINTA A FELICIDADE EM PARTICIPAR DO CASAMENTO DO CORDEIRO
Você foi convidado à festa do
casamento do Cordeiro?
   Hoje, os do Israel natural não são mais os convidados, mas sofrem as consequências de suas escolhas iníquas. Eles nunca mais obterão o perdão dos Deuses, pois todos se amarraram numa maldição por matarem o Filho dos Deuses. (Mateus 27:25) Como você pode garantir seu convite? Jesus formou sua congregação de cristãos antes da destruição do inteiro sistema apóstata judeu, que se deu em 70 EC. (Leia Mateus 22:7.) Esta era composta primeiramente por alguns judeus — um “restante” deles; uns poucos que depositou fé nele. (Romanos 9:27) Os 12 apóstolos e os profetas cristãos tornaram-se o segundo alicerce deste templo espiritual, depois do próprio Jesus, “a pedra angular de alicerce”. (Leia João 4:22; Mateus 19:27-29; Lucas 22:28-30; 1 Coríntios 3:10-17; Efésios 2:22.) Mais tarde juntou-se e continua a juntar-se a eles um número sempre crescente de gentios — pessoas vindas de todas as nações, tribos e línguas da terra, em todos os tempos. Estes cristãos gentios são as “outras ovelhas”, de João 10:16, que o “dono de casa”, os Deuses Jeová, ‘traria’ das ‘estradas e dos lugares cercados’ do mundo gentio para juntar-se com os “pobres, e os aleijados, e os cegos, e os coxos”: os primeiros discípulos judeus, os que viviam nas ‘ruas largas e becos da cidade’ de Jerusalém.

   Todos os cristãos fiéis hoje, em muitos países do mundo, embora muitos, não passam de um “pequeno rebanho” em comparação com os mais de 8 bilhões de humanos vivos. Jesus diz a estes seus discípulos: “Não temas, pequeno rebanho, porque vossos Pais aprovaram dar-vos o reino”. (Lucas 12:32) Eles ganharão o reino no sentido que alguns deles, 144.000 em número, foram ‘comprados da terra para serem governantes e sacerdotes no reino’, enquanto que os demais serão súditos dele. (Revelação de Jesus [Apocalipse] 14:3, 4; Mateus 5:3, 5) Por que não devem estes ‘temerem’? Por que não ficarão de fora da festa do “casamento do cordeiro”. Eles são agora os “convidados”; os “chamados” a “comer pão no reino dos Deuses”. (Lucas 14:15) Porém, todos este “pequeno rebanho” de cristãos têm de cumprir com algumas exigências desafiadoras, se quiserem ‘entrar na festa’. Quais são elas? Observe isso em Lucas 12:33-36:

Vendei as coisas que vos pertencem e fazei dádivas de misericórdia. Fazei para vós mesmos bolsas que não se gastem, um tesouro que nunca falhe, nos céus, onde o ladrão não chega perto nem a traça consome. Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração. Os vossos lombos estejam cingidos e as vossas lâmpadas acesas; e vós mesmos sede como homens que esperam pelo seu amo, ao voltar ele do casamento, para que, ao chegar e bater, possam imediatamente abrir-lhe.

   Esta parábola de modo algum indica o que talvez alguns pensam: que devemos nos desfazer de nosso dinheiro e ficar à míngua. Antes, significa que devemos depositar nossa confiança e amor não no dinheiro, ou nas coisas terrenas, mas, antes, nas coisas de cima, as celestiais. (Hebreus 13:5; 1 Timóteo 6:10; Colossenses 3:1, 2) Entretanto, isso de modo algum exime a cada um de nós de demonstrarmos ‘misericórdia’ com os menos afortunados. (Atos 10:1-8) O que vem a seguir? As melhores “dádivas de misericórdia” que um cristão pode dá são “as [suas] coisas que estão no [seu] íntimo” — as coisas que estão relacionadas à espiritualidade é as que vêm do nosso “íntimo”, onde se encontra nosso "espírito". (Lucas 11:41; Zacarias 12:1) Jesus prosseguiu, dizendo:

Felizes são aqueles escravos [do pequeno rebanho], cujo amo, ao chegar, os achar vigiando! Deveras, eu vos digo: Ele se cingirá e os fará recostar-se à mesa, e chegando-se, ministrar-lhes-á. E, se chegar na segunda vigília, [ou] mesmo na terceira, e os achar assim, felizes são! Mas, sabei isto, que, se o dono de casa tivesse sabido em que hora viria o ladrão, teria ficado vigiando e não teria deixado que se arrombasse a sua casa. Vós também, mantende-vos prontos, porque o Filho do homem vem numa hora que não achais provável.

   Quantos motivos têm os que serão convidados à festa do “casamento do cordeiro”! Um dos poderosos Deuses mensageiros diz a estes: “Felizes os convidados à refeição noturna do casamento do Cordeiro.” (Revelação [Apocalipse] 19:9). Todos os cristãos têm muitas razões para sentir a felicidade que será participar da festa de casamento do cordeiro Jesus! Você ainda não é um cristão? Aprece-se e sinta também a felicidade que é ser um dos Seus seguidores. Entre os muitos benefícios a ser colhido, está a “esperança de vida eterna que os Deuses, que não podem mentir, prometeram antes dos tempos de longa duração” (Tito 1:2) Os tempos de longa duração aqui mencionados foram os tempos de Enoque. Foi ali que primeiramente os Deuses Jeová prometeram a vida eterna em conexão com o retorno da “árvore da vida”. — Veja Enoque 23:3-11 (Futuramente, quando lançarmos a revisão deste livro, o texto será o de Enoque 24:4-25:7).

INTRUSOS NA FESTA DE CASAMENTO
   Será possível que pessoas despreparadas entrem na festa de casamento do Cordeiro? Sim, pois ‘nem todos os convidados serão escolhidos’. Jesus disse sobre o dia de inspecionar os convidados: “Quando o rei [Jesus após seu casamento] entrou para inspecionar os convidados, avistou ali um homem que não vestia a roupa de casamento. Disse-lhe, portanto: ‘Amigo, como entraste aqui sem roupa de casamento?’ Ele ficou sem fala. O rei disse então aos seus servos: ‘Amarrai-lhe as mãos e os pés, e lançai-o na escuridão lá fora. Ali é onde haverá o seu choro e o ranger de seus dentes.’ Porque há muitos convidados, mas poucos escolhidos.” (Mateus 22:11-14) Quem são os que não estarão ‘trajados das vestes do casamento’?



   As vestes apropriadas são as “compridas vestes brancas” vistas por João na visão. (Revelação de Jesus [Apocalipse] 7;9) Certamente podemos então entender que o “amigo” que Jesus abordou não estava assim trajado na festa. Por que Jesus o chama de “amigo”? Por que ele está entre os cristãos, embora não pratique “atos santos de conduta e . . . ações de devoção piedosa, aguardando e tendo bem em mente a presença do dia de Jeová”. (2 Pedro 3:11, 12, TNM) A quem representa este? Não é um único cristão; mas um coletivo deles. Este compõe o coletivo “homem que é contra a lei, o filho da destruição”. (2 Tessalonicenses 2:3, TNM) São os líderes governantes religiosos. Eles insistem em ‘desconsiderar o Senhorio’, Jesus, por querer ‘dominar outros cristãos, causando-lhes prejuízos’. São eles os que constroem os “lugares cercados” — suas religiões com seus sistemas de crenças escravagistas. Eles também falam de modo “ultrajante dos gloriosos” — os que verdadeiramente são dos 144.000 —, a quem chamam constantemente de apóstatas. — Judas 8; Eclesiastes 8:9.


   Em breve, em plena festa de casamento, o Rei Jesus, aniquilará a estes “filhos dos Diabos”, ao matá-los com o fio da espada — aquela que ‘sai de sua boca’. Esta espada representa sua grande autoridade. (Mateus 8:44; 28:18; Atos 13;10; Revelação de Jesus [Apocalipse] 19:15) Somente Jesus tem a devida autoridade para matar a todos os seus inimigos, os líderes religiosos ditos cristãos, os que “foram pela vereda de Caim e se arremeteram no proceder errôneo de Balaão”. Deveras, eles são assassinos como Caim, pois impedem os cristãos de comer do pão e beber do vinho, símbolos da carne e do sangue de Jesus. Com esta atitude eles tentam impedir que o resgate de Cristo atinja seus objetivos. Quais homens balaônicos, eles subiram nos lombos dos mesmos cristãos, fazendo deles seus jumentos de carga, onde ‘amarram cargas muito pesadas. — estes são seus ensinos apóstatas. — 2 Tessalonicenses 2:8; Judas 11; 1 João 3:12; João 6:54; Mateus 23:4; 26:27; 1 Pedro 1:18, 19; 1 Timóteo 2:6; Números 22:21.


3 de maio de 2014

"PERSISTI EM FAZER ISSO"

Fazer "Isso" o que? Nós Testemunhas de Jeová fazemos “Isso”?

1 CORÍNTIOS 11:23-26:

PÃO
"... o Senhor Jesus, na noite em que ia ser entregue, tomou um pão, e, depois de ter dado graças, partiu-o e disse: "Isto significa meu corpo em vosso benefício. Persisti em fazer isso em memória de mim."
VINHO
Ele fez o mesmo também com respeito ao copo, depois de tomar a refeição noturna, dizendo: "Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue. Persisti em fazer isso, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim."
OBJETIVO
Pois, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este copo, estais proclamando a morte do Senhor, até que ele chegue."



Recapitule. 

Escolha a única opção verdadeira: Por quais ações se ‘proclamaria a morte do Senhor’?

a) Jesus ensinou que haveria ‘proclamação’ toda vez que se olhasse para o pão e olhasse para o vinho.
b) Segundo o modelo estabelecido por Jesus, a ‘proclamação da morte do Senhor’ só aconteceria cheirando o pão e cheirando o vinho.
c) A ‘proclamação’ válida seria apenas por segurar o pão e segurar o vinho e, então, passá-lo adiante.
d) Era necessário comer o pão e beber o vinho.

Você acertou se escolheu a alternativa "d". De fato, os discípulos só estariam seguindo as orientações de Jesus se comessem do pão e bebessem do vinho. Qualquer outro procedimento - olhar, cheirar, segurar, balançar, ou seja lá o que a imaginação permitir - seria "ir além das coisas escritas". (1 Coríntios 4:6) Em outras palavras, o simbolismo do acontecimento - "persisti em fazer isso em memória de mim" - só se tornaria válido, legal, oficial, se se consumisse os emblemas - o pão e o vinho. Não haveria "proclamação" alguma sem o comer e o beber.
O Corpo de homens que "provê boa liderança" (Anuário de 1978, página 259.) e "instrução bíblica" (Livro Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, capítulo 23, p. 200, § 24) para nós Testemunhas de Jeová - o chamado Corpo dos Governante - assim descreve este acontecimento (reticências acrescentadas):
"A celebração da refeição noturna do Senhor se iniciará com palavras de boas-vindas e a entoação de um cântico sagrado pela congregação, seguida de oração. Depois ouvirá um discurso bíblico edificante sobre o significado, o objetivo e os benefícios desta celebração. A isto se seguirão pedidos de bênçãos sobre o pão e o vinho, e daí se servirá primeiro o pão não levedado e depois o vinho tinto. (...) Depois de mais algumas observações apropriadas, a reunião terminará com um cântico sagrado e uma oração." - A Sentinela de 15 de março de 1972, página 164.

Outra de nossas publicações anuncia:

"Um convite especial para a Comemoração será distribuído no mundo inteiro a partir de 21 de março."  
Nosso Ministério do Reino, março, 2009, página 1, parágrafo 1.

Mas... Cuidado com a mensagem trazida nos nossos convites!
Como poderá observar ao lado, o convite realça a ordem de Jesus: "PERSISTI EM FAZER ISSO EM MEMÓRIA DE MIM".
Daí, pergunta-se: "O que os discípulos deveriam persistir em fazer?"
Leitor, por termos observado o texto bíblico no início do artigo, você já está apto para responder a esta pergunta. Assim, segundo 1 Coríntios 11:26, a resposta é simples: Deveriam persistir em comer do pão e beber do vinho a fim de 'proclamar a morte do Senhor'.
Agora, caro leitor, a próxima indagação no convite é bem significativa e, como veremos mais adiante, oculta um procedimento contrário ao que se expressa. A pergunta é: "E por que é importante que você faça o mesmo?"
Bem, já sabemos que Jesus ordenou que seus discípulos comessem e bebessem em proclamação de sua morte. Logo, o "isso" que os discípulos deveriam "persistir em fazer" em memória dele era "comer este pão e beber este copo, até que ele chegue". Porém, leitor, é "isso" que fazemos nós, a maioria das Testemunhas de Jeová? E será que o "isso" que Jesus se refere é o mesmo procedimento que dizemos ser importante que você faça?


Não! Todo ano, milhões de nós TJs e nossos convidados nos reunimos em todo mundo para, intencionalmente, NÃO comer e NÃO beber!
[Os do Corpo dos Governantes, que se 'assentaram sobre nós' quais jumentas mudas, surdas e cegas dele, nos ensinam que apenas aqueles que têm a esperança de ir para o céu comem e bebem desses símbolos. Os que têm a esperança de viver para sempre no Paraíso na Terra apenas assistem à Refeição Noturna do Senhor como observadores respeitosos, não como participantes do pão e do vinho.]
Acredite: mais de 99,9% de nós Testemunhas NÃO fazemos anualmente o que Jesus ordenou! Em 2013, dos 19.241.252 presentes, apenas 13.204 comeram do pão e beberam do vinho! - Anuário 2014.
A maioria de nós Testemunhas, por nossas ações, dissemos NÃO ao pão e NÃO ao vinho. - foi assim também este ano de 2014. Desta vez, porém, eu, o Apóstolo TJ/TDS, disse sim, pois acordei para esse fato.

O Corpo dos Governantes explica (grifo acrescentado):

"Conseqüentemente, este numeroso grupo que tem esperança terrestre não come nem bebe dos emblemas, o pão e o vinho. Mas, isto de modo algum reflete falta de fé ou de apreço no que diz respeito ao corpo e ao sangue de Jesus. De fato, devido ao seu profundo apreço por seu sacrifício e à deleitosa perspectiva terrestre diante deles, eles mui definitivamente estão presentes todo ano quais respeitosos observadores na celebração da Refeição Noturna do Senhor. Deste modo, eles refletem a sua própria fé e dão feliz evidência de que o restante do "pequeno rebanho" e o grande número dos das "outras ovelhas" estão em calorosa união. — João 10:16." - A Sentinela 1/2/88 p. 31.

"Persisti em fazer isso"

Em parte alguma Jesus instrui para nós apenas passar o pão e o vinho de mão em mão... A pura verdade é: Isso é procedimento ordenado pelos do apóstata Corpo dos Governante!
Embora a maioria de meus irmãos Testemunhas de Jeová não façam o "isso" de Jesus, fazem o "isso" do Corpo Governante. Para eles, é o que verdadeiramente importa.

Sendo assim, não se engane! Nós vos convidamos para "descobrir as respostas" sobre "por que é importante que você faça o mesmo" que fizeram os discípulos de Jesus, mas, na verdade, uma vez estando presente à reunião, você ouvirá a um discurso proferido por um ancião treinado pelos do Corpo dos Governantes mostrando o porquê é importante que você não faça o mesmo que os discípulos deveriam 'persistir em fazer'! É... Prometemos uma coisa mas damos outra!
Interessante é que esses nossos líderes apóstatas, antecipadamente, até já definem qual o "desejo" que devem ter os que comparecem à reunião (grifo acrescentado):

“... desejam estar presentes como observadores, em comemoração desta ocasião importante. Os presentes têm o espírito de João Batista, o qual, sabendo que sua situação era similar à dum observador numa cerimônia de casamento, alegrou-se com a noiva (os ungidos) e o noivo (Jesus). — João 3:29." - Nosso Ministério do Reino 3/80, p. 3, pp. 2.


Notou a curiosa comparação para, digamos, minimizar a posição dos que não comem nem bebem dos emblemas? Afirma-se que os não participantes "sabem que sua situação era similar à dum observador numa cerimônia de casamento". Tem sentido esta comparação?
Ora, será que há casamento quando os noivos não comparecem e, consequentemente, não se casam? Sendo assim, se você for convidado para um casamento, poderá dizer posteriormente que esteve entre os "presentes... quais respeitosos observadores" à cerimônia do matrimônio se nem mesmo um copo de vinho tomasse ou que comece um pedaço do bolo? Poderia dizer que "alegrou-se com a noiva e noivo"?
Algo assim se dá com o nosso ajuntamento para a 'comemoração da morte do Senhor'. Na maioria das nossas congregações, não há alguém que coma ou beba dos emblemas. 
Segundo o relatório de 2014, há um total de 113.823 congregações, em todo o mundo e 13.204 consumiram o pão e o vinho na última comemoração. Se distribuíssemos 1 participante por congregação, significaria que em 100.619 congregações ninguém comeu e nem bebeu do vinho!
Não havendo quem coma e beba, de fato, não configurará a comemoração instituída por Jesus. Justificadamente, ninguém da plateia destas mais de  cem mil congregações poderia dizer que "esteve presente à Comemoração" como "observador" da "proclamação" - uma vez que não se viu ou assistiu alguém comer ou beber. Somente a TJ que comeu e bebeu dos emblemas - ou pelo menos viu alguém fazê-lo - poderia alegar que "observou" a comemoração.

Para maiores informações sobre quais são verazmente as intenções por trás da atitude dos do Corpo dos Governantes das Testemunhas de Jeová, queira consultar o número 17 de A Continela - Anunciando o Reino dos Deuses Santos.